A cultura organizacional sob o imperativo do crescimento

Por o 13 Dezembro 2019

A crise financeira mundial e as crises bancárias que lhe estiveram associadas num passado recente levaram várias organizações a redirecionar o seu foco estratégico com a proposta de reduzir custos aumentando a eficiência. Contudo, como referiu um antigo CEO da PepsiCo “Não se pode prosperar se só nos focarmos na poupança”.

Hoje a pressão e os bloqueios com que nos defrontamos são outros. Num ambiente cada vez mais complexo, volátil e competitivo que obriga as organizações a reavaliar os seus modelos e práticas de negócio, há um desafio que sobressai: fazer cada vez mais com cada vez menos recursos.

Mas será uma corrida estritamente focada em atingir resultados a qualquer custoa melhor opção para organizações com ambições de crescimento? Pelo contrário. Uma obsessão desmedida por resultados imediatos e excecionais pode acabar por minar o desempenho organizacional ao elevar os seus níveis de stress, sobrecarregar os colaboradores para além do seu limite e aniquilar os seus níveis de engagement e motivação com impacto na sua produtividade. E sabemos que não é em ambientes instáveis que atingimos o nosso máximo potencial.

 

 

A promoção e o desenvolvimento de uma cultura de crescimento focada na sustentabilidade a médio e longo prazo, por outro lado, é um dos fatores que podem ser encontrados no ADN das empresas com um crescimento sólido, contínuo e sustentável. Uma organização que almeja ter resultados acima da média e alcançar destaque diferenciado no seu mercado, precisa de investir continuamente em iniciativas de crescimento alinhadas com o seu propósito e valores da empresa.

 

De forma a mapear o ADN de crescimento da sua organização e determinar se está ou não preparado para a transformação dos mercados em curso, sugerimos começar por estas 7 perguntas-chave que o podem ajudar a refletir sobre o futuro da sua organização:

  1. Dedica pelo menos 20% do seu tempo a focar-se em iniciativas de crescimento?
  2. Que iniciativas de crescimento concretas estão a ser implementadas e acompanhadas de forma consistente?
  3. O crescimento da sua organização é alcançado através de iniciativas táticas ou é um processo estruturado e aperfeiçoado em equipa que envolve uma série de etapas coerentes e recorrentes?
  4. Os gestores de topo da sua empresa visitam regularmente os clientes para recolher insights que depois são levados à prática?
  5. Há um orçamento exclusivamente alocado a iniciativas de crescimento?
  6. Existe um processo de geração, partilha e seleção de ideias capaz de gerar novos projetos de crescimento, passíveis de serem concretizados em tempo útil?
  7. Promove periodicamente uma reflexão interna para recolher novas e melhores formas de aproveitar o talento das suas pessoas e aumentar a produtividade dos recursos disponíveis?

 

Embora o buliço do dia a dia das nossas empresas nos leve muitas vezes a adiar iniciativas de crescimento, preterindo-as por tarefas urgentes que conduzem a resultados imediatos mas podem condicionar o desenvolvimento futuro, a verdade é que o crescimento estruturado é o combustível que alavanca a capacidade de superação e a excelência de atuação nas empresas centenárias.

Instalar uma cultura de crescimento é, por isso, um imperativo para todas as organizações que pretendam, em última análise, mais do que sobreviver, aproveitar as oportunidades que esta era da aceleração e transformação tecnológica que atravessamos nos oferece.

É um desafio incontornável apenas ao alcance de organizações ambiciosas, ágeis e abertas elas próprias à transformação. É esse o caso da sua organização?

 

* Este artigo foi originalmente publicado no InfoRH.

Para saber mais sobre este tema, recomendamos a formação CEGOC Liderança e gestão de equipas

/5 - Voir tous les avis

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe