O Caminho da Liderança

Por o 5 Dezembro 2016

Vivemos tempos profundamente disruptivos em que é imprescindível e incontornável Planear.  E no que diz respeito à Liderança, a necessidade de Planeamento não é exceção. Aqui falamos de  Planeamento Estratégico da Liderança. Acompanhe-nos neste caminho…

 

Vivemos tempos imprecisos, conturbados, incoerentes, ilógicos, imprevisíveis e incertos. Diríamos: profundamente disruptivos. Esta realidade quase irreal foge aos mecanismos eminentemente humanos da necessidade de segurança e controlo dos processos e dos resultados, mas também traz consigo o traço paradoxal do estável. Entre estes indícios de estabilidade está o da incontornável certeza, necessidade mesmo, de se continuar a fazer a chamada Liderança Estratégica. Esta Liderança, embora implique e se concretize em algo de teor processual e por isso de cariz formal, tem, na sua estrutura algo de substancial.

 

 

Vontade de liderar…

Colocar o foco na incerteza disruptiva como derivação da ideia perene de mudança, implica assim, por outro lado, tornar mais precisas outras ideias. Ideias que, de forma contrastante, apresentam os tais contornos de permanência. Desde logo a questão da vontade de liderar que implicará um “gatilho emocional” de primeiro passo/pressuposto na criação da liderança. De facto, após o processo de consciencialização, especificação e fixação emocional da vontade de liderar, deteta-se algo que não muda, mesmo nestes tempos cada vez mais leves na sua insustentabilidade: a imprescindível e incontornável necessidade de Planeamento.

 

Planeamento Estratégico da Liderança

Esta necessidade permanente de planear leva-nos a perguntar: trata-se de Planeamento Estratégico da Gestão? Respondemos: sim, também, mas principalmente Planeamento Estratégico da Liderança.

Cremos que, face ao status quo atual, urge que os líderes, em qualquer das dimensões do exercício da liderança (Estados, Famílias, Empresas, ONGs) saibam onde pretendem chegar, o que almejam atingir, o que desejam intrínseca e extrinsecamente construir e como vão fazê-lo. Entendemos deste modo que o exercício da liderança exige a especificação de “ideais planeados” que o líder pretende servir.

Estamos ainda no campo prévio ao primeiro passo do caminho da liderança e estes ideais constituem a “bagagem” do líder. O que ele vai levar consigo.

 

O fim em mente

Esta Liderança Estratégica implica desde logo que, o líder ou candidato a líder comece com um “fim em mente”, ou seja, o líder sabe onde pretende chegar em cada relação de liderança independentemente da dimensão em que vive. O líder identifica a visão de cada dimensão e todos os que, potencialmente, vão com ele em busca daquela visão.

A este passo e sabendo o líder (i) o que o levou a liderar e (ii) onde pretende chegar, é colocado, com essa dupla identificação, face-a-face com a sua missão primordial e também com as suas missões satélite que vão permitir estruturar a principal. Podemos assim dizer que estamos no campo multidimensional da Missão dos Lideres.

 

Campo multidimensional da Missão dos Lideres

Saber porque vai, para onde vai e o que vai fazer implica saber quais os instrumentos necessários ao cabal cumprimento das diversas missões da liderança. Para tanto, o líder identificará as competências essenciais e que exponenciarão a probabilidade de sucesso na concretização daquelas missões. Trata-se do campo multidimensional das Competências dos Lideres.

Enquanto Maestro da sua “orquestra interior” o líder tem de saber quais os sons e tons dos quais não prescinde. O mesmo é dizer que ao fazer o Planeamento Estratégico da Liderança, o líder ou candidato a líder identificará os valores que respeitará e concretizará mediante a liderança pelo exemplo abrindo assim as portas à liderança autêntica.

Finalmente e após este processo complexo de consciencialização que leva o líder a confrontar-se com as suas motivações profundas, criando prévia e internamente, como se de um guião se tratasse, o que pretende que venha a ser realidade, o líder identifica, conhece, treina e decide como será a sua liderança enquanto veículo transportador de todas as equipas e de si mesmo em direção à concretização do caminho da liderança, sabendo também que ao Planear estará mais apto a liderar na era da incerteza.

 

“A maior tarefa de um ser humano é ser líder de si mesmo e a maior tarefa de um líder é sair da plateia, entrar no palco da sua mente e ser autor da sua história.”

Augusto Cury

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe