Management: novas competências para se adaptar a um novo contexto

Por o 6 Agosto 2021

O novo ambiente económico provocado pela crise da Covid-19 veio mudar o cenário para os managers locais, de uma forma permanente. Partilhamos cinco competências que lhes permitirão desenvolver as respetivas práticas de gestão e, assim, enfrentar os novos desafios que surjam.

 

O novo desafio dos managers locais

O papel dos managers locais está a tornar-se ainda mais estratégico e a sua missão é cada vez mais complexa. Eles enfrentam um paradoxo: conciliar exigência e benevolência para fazer com que a atividade continue, mantendo-se atentos à qualidade de vida no trabalho das equipas.

A capacidade de as organizações recuperarem depende, em grande parte, dos managers. Eles devem, ao mesmo tempo, acompanhar as suas equipas durante as mudanças cada vez mais rápidas, e motivá-los a continuar a atividade, apesar dos tempos de incerteza.

Parece, pois, evidente que as empresas que investirão no desenvolvimento das competências dos respetivos managers, especialmente os managers locais, estarão mais bem preparadas para enfrentar este novo contexto.

 

Como é que a Covid-19 mudou o quotidiano dos managers?

A crise da Covid-19 originou, obviamente, novos problemas, especialmente no que diz respeito ao teletrabalho. Mas é importante assinalar que esta crise permitiu igualmente expor algumas situações delicadas que têm estado subjacentes até agora. Os vários problemas de comunicação, os potenciais conflitos e outros aspetos disfuncionais da equipa começaram a vir à tona e devem ser abordados pelos managers. De igual forma, também expôs a preocupação dos colaboradores relativa às suas competências, que estão a ser postas em causa, ou mesmo ao desaparecimento do seu emprego.

E mesmo quando as equipas eram muito autónomas antes da crise relacionada com a Covid-19, o manager deve estar agora mais presente para recuperar a energia.

 

O “novo normal” dos managers

Todos nós estamos a viver, em simultâneo, um contexto de incertezas que têm de ser enfrentadas encontrando soluções novas e úteis de forma rápida. O que estamos a viver é um “novo normal” que implica habituarmo-nos às mudanças que ocorreram, sem precedentes e em grande escala. As equipas devem adaptar-se de forma restrita e, ao mesmo tempo, ágil, sendo muitas vezes solicitadas para que façam mais e melhor com menos. A necessidade de uma constante adaptação torna-se cada vez mais urgente.

 

5 competências para transformar a sua gestão

Entende-se, neste contexto, que os managers devem desenvolver as suas competências para desenvolverem a sua forma de gerir. O desafio é ser capaz de decidir rapidamente, de ter flexibilidade na sua conduta enquanto manager e de reconsiderar o seu papel perante as equipas.

Existem determinadas práticas que são amplificadas com a crise, como a gestão à distância, gestão de equipas multidimensionais, o teletrabalho.

Surgem também determinadas limitações, tais como atuar com equipas mais ágeis e diversificadas, e mobilizar em tempos de incerteza.

Aqui estão cinco temas nos quais, para nós, os managers devem apostar.

 

1. Saber gerir o teletrabalho

O teletrabalho foi a solução encontrada para manter a atividade durante a crise pandémica. As organizações adaptaram-se num contexto de urgência, e experimentaram o teletrabalho mesmo com equipas que não estavam habituadas a este método. O manager teve igualmente de adaptar as suas práticas para manter a ligação à distância, saber assegurar a coesão entre equipas que deixaram de se encontrar, e evitar o risco de perceção de isolamento. A dimensão relativa à gestão do teletrabalho torna-se, portanto, uma questão incontornável no âmbito das competências de gestão, de forma duradoura.

 

2. Adaptar a sua gestão ao contexto de incerteza 

O manager deve responder tanto à incerteza relacionada com a respetiva atividade, como também, de forma mais global, à preocupação das equipas em relação às transformações das respetivas atividades. O conceito de resiliência em gestão e de equipa aparece: o manager acompanha as transformações necessárias, mantém a coesão, e também garante o seu próprio equilíbrio perante as múltiplas urgências e situações inéditas às quais ele se deve adaptar.

 

3. Conciliar benevolência e exigência

O manager atua em duas áreas para realizar a sua atividade: acompanhar as suas equipas, incentivá-las, garantir que seguem o rumo certo e obter resultados operacionais. Para tal, é preciso escutar, estar atento às necessidades manifestadas pelos colaboradores, mantendo, ao mesmo tempo, o objetivo de ser bem-sucedido.

Atua num cenário em que define a direção, em que utiliza os instrumentos necessários para conduzir a atividade individual e coletiva, e abre espaços de colaboração motivadores e que favorecem a qualidade de vida no trabalho.

 

4. Adotar novas alavancas de motivação e engagement

A motivação tem por base a capacidade de se projetar num futuro que permita o seu desenvolvimento no trabalho e, ao mesmo tempo, em fatores de satisfação relacionados com o ambiente de trabalho, bem como com as condições de trabalho. As novas alavancas estão relacionadas com a capacidade de o manager incentivar as respetivas equipas num contexto em mudança, de dar regularmente feedback construtivo e de acompanhar todos num projeto de desenvolvimento das respetivas competências. O manager integrará igualmente uma nova competência fundamental: a sua capacidade de acompanhar, reconhecer esforços e resultados, e ajudar o colaborador a projetar-se num futuro profissional que faça sentido.

 

5. Ser inovador nos estilos de gestão

Para desenvolver uma dinâmica de equipa construtiva, especialmente no contexto de crise que atravessamos, o manager pode apoiar-se em abordagens complementares à sua variedade de competências habituais. A abordagem da psicologia positiva permite revisitar a atividade a partir do ponto de vista do sucesso obtido em conjunto, e dar sinais de reconhecimento mútuo sobre como funcionar e conduzir a atividade numa equipa. O co-desenvolvimento permite aos pares resolver, em conjunto, problemas operacionais e desenvolver novas aprendizagens a partir das suas práticas. Ele atua igualmente como uma alavanca de apoio pelos pares, e é especialmente pertinente em períodos difíceis.

Estas são algumas das alternativas que permitem ao manager abordar a sua prática de forma diferente e encontrar novas soluções para os problemas com que se depara.

 

*Este artigo foi originalmente publicado aqui por Annette Chazoule.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe